Portugal, Alemanha, Europa

Translations

Sessões curtas vs sessões longas

O tempo, ou a falta do mesmo para muitos carpistas poderem estar perto de água, 24 ou 48 horas, em muitos dos casos podem ser muito longas, e não ser tarefa fácil devido as suas profissões ou mesmo por questões familiares.

Já pensaste que é possível fazer uma sessão de 3, horas com bons resultados?

Posso vos dizer que acabei o outono com 4 sessões curtas, e só numa delas não consegui trazer um peixe ao tapete devido a rutura da linha por ter passado numa pedra. Estou rendido ao poder dos boillies, a qualidade que todos eles apresentam são excelentes e os resultados falam por si. A Imperial Baits trabalha de forma a conseguir chegar a exigência e necessidades de todo o tipo de carpista.

Qual o teu isco de eleição?

O meu isco de eleição, são os boillies Imperial Baits Crawfish. Tem 2 opções de cor (branco ou castanho) e por isso nunca tenho problema de pescar em águas límpidas ou mais escuras. É um boillie que nunca te deixa “malvisto” já pesquei com elas em 4 lagos diferentes e fizeram peixe.

Como preparas uma sessão curta?

Normalmente, coloco 4 montagens dentro do frasco do dip 5 dias antes para ter uma atração mais eficaz e rápida. No dia da pesca, retiro 1 montagem (normalmente em sessões curtas só pesco com uma cana), passo o boillie no Amino Gel em pó de crawfish e preparo umas malhas ou sacos de pva com Pelletes de 2mm.

Preferes sessões curtas ou longas?

Sobretudo, gosto de pescar e dedico todo o temo livre que tenho para estar junto de água. Gosto de fazer algumas sessões curtas para fazer alguns tipos de testes e de montagens, e ao mesmo tempo estou a conhecer melhor o comportamento dos peixes e a forma como eles se alimentam, bem como a duração dos iscos dentro de água e sua eficácia. Ao dedicar algum tempo nestas sessões de 3 horas, ganho tempo de pesca ao realizar uma sessão longa. Mas sem duvidas, prefiro fazer uma sessão longa.

Quando realizaste a tua ultima sessão, e como a abordaste?

A minha ultima sessão foi de 20 a 22 de novembro, e foi num local que ajudei a construir e é muito especial para mim. Fiz uma abordagem muito simples usei para iscar boillies Imperial Baits 16mm Crawfish e utilizei Amino Pelletes de 15mm e de 3 em 3 horas alternava abordagem ao pesqueiro. Nas primeiras horas lancei um punhado de pelletes e e nas seguintes horas bolas inteiras e assim ia alternando. Primeiras 12 horas 4 peixes, mas queria mais, então optei por colocar uma montagem D´rig com um boillie branco embebido no dip e no amino gel em pó. Os alarmes não tardaram a tocar e sai um peixe em menos d 20 minutos! No final, somei 9 capturas todas elas carpas comuns, onde o maior exemplar com 10,900kg.

Anzóis, o mais importante

Olá companheiros! Neste artigo vou explicar um pouco sobre um dos pontos mais importantes que eu considero no carpfishing!

  • Apresentação do isco

Primeiro temos que saber o tipo de fundo que estamos a pescar, se é duro, pedra, lodo, areia, … em função disso vamos escolher o fio de empate e o anzol. Porquê o fio de empate em primeiro? Porque devemos obedecer ao principio: fundo duro – fio macio; fundo macio – fio duro.

  1. Fio multifilamento – assenta completamente sobre o fundo irregular, quer seja de pedra, gravilha, etc…, faz todos os contornos do fundo. Normalmente uso neste tipo de fundos ou quando uso sacos de PVA
  2. Nylon / Fluorocarbono fica plano, não faz os contornos do fundo. Em caso de irregularidades o fio fica no “ar”. Sempre que possível é a minha escolha. Muito dificilmente se enrola no lançamento ou quando se usa um bait boat.
  3. Multifilamentos rígidos – algumas marcas comercializam este tipo de fio que pessoalmente gosto bastante. O revestimento exterior permite usar em locais com obstáculos e onde o uso de um terminal mais forte que o nylon ou fluorocarbono se recomenda.

De seguida, e em função do tipo de isco e tamanho de isco que vamos apresentar, escolhemos o tipo e tamanho de anzol.

  1. “Wide Gape Straight Point”, argola interior - multifilamento
  2. “Classic Boilie”, argola interior – multifilamento
  3. “Fan Gape”, argola direita – multifilamento / nylon / fluorocarbono
  4. “Long Shank Curve”, argola interior – multifilamento
  5. “Medium Cruve Shank”, argola interior – multifilamento
  6. “Stiff / Chod” – argola exterior – nylon / fluorocarbono
  7. “Continental” – argola direita - multifilamento / nylon / fluorocarbono
  8. “Long Shank” – argola interior – multifilamento
  9. “Ready D Rig” – argola interior – multifilamento

Para cada tipo de anzol e conforme o tipo de argola, é recomendada a utilização de um determinado tipo de fio.

Para que entendam um pouco melhor: pegamos no anzol nº4, o “Long Shank Curve” e fazemos um empate com fio nylon / fluorocarbono. Durante o combate com a carpa, calculem quantas vezes o fio vai roçar na argola, vai desgastar e partir nesse ponto.

Utilizando o mesmo exemplo, se montarmos o anzol nº6 “Stiff/Chod” com fio nylon / fluorocarbono, durante o combate com a carpa, a argola exterior deste tipo de anzóis não vai provocar qualquer dano no fio.

Empatar o anzol:

A experiência que tenho nos empates de anzóis vem desde o meu tempo de pesca em competição de rio, cheguei a empatar anzóis nº26 com fio 0,06mm!

Nestes últimos anos tenho-me dedicado exclusivamente ao carpfishing e tenho encontrado diversos colegas com os empates mal feitos. Há um ponto fundamental quando se empate um anzol: o fio tem que sair da argola do anzol para dentro em direção ao bico.

Só assim tanto a ferrar, como na luta com a carpa, o anzol vai estar a cumprir a sua missão!

Os diferentes tipos de anzóis que existem no mercado, são específicos para usar com determinados fios:

  • Um anzol com a argola para fora, os chamados “CHOD” ou “STIFF”, são para ser montados com fio de nylon / fluorocarbono.
  • Anzóis com a argola para dentro, são para ser usados com multifilamento.
  • Anzóis com a argola direita, podem ser usados com ambos os fios.

Utilizar “borracha ou aligners”

Não dispenso a utilização de uma pequena borracha ou de um “aligner” nos meus empates. Isso dá uma capacidade “extra” de ferragem, faz toda a diferença!

Um anzol tem de estar bem montado, em perfeitas condições.

Durante os meus anos de pesca fui selecionando os tipos de montagens a apresentar e cheguei e felizmente deixei de ter os “bip – bip – bip”. Agora, cada vez que há um “bip” a carpa está ferrada. Devemos dar muita importância aos nossos empates, que para mim são o mais importante. A localização da montagem, só nos dá capturas se o anzol estiver corretamente apresentado e pronto a ferrar. O boilie, por muita qualidade que tenha, tem de estar num terminal bem feito, e de seguida bem localizado! Esta são as chaves do sucesso: empate perfeito, localização, boilie. Com estes três elementos alinhados, as capturas vão surgir.

Empate com fio multifilamento rígido (um dos meus favoritos, recomendado pelo meu amigo Dennis Pries – Team Imperial Fishing Germany)

Anzol, Mouthaligner, argola, pedaço de silicone, destorcedor

  • Passar o pedaço de silicone pelo fio e colocar o destorcedor (foto multi 2)
  • Passar a ponta do fio pela argola do anzol, deixando tamanho do “D” (foto multi 3)
  • Fazer o empate do anzol (foto multi 4)
  • Passar o Mouthaligner com ajuda de uma agulha de leadcore (foto multi 5)
  • Empate pronto a apanhar a carpa dos nossos sonhos! (foto multi 6)

Outro ponto que não posso deixar de falar, em especial nesta época do ano. Como sabemos que o isco está em condições num lago que tem lagostins?

Pessoalmente, gosto de pescar com boilies. Evito ao máximo recorrer a sementes ou a artificiais. Os boilies dão-me mais confiança.

Mas quando estamos num lago com lagostins ativos? De tudo que usei, a utilização de manga retráctil é o melhor que aconselho.

Utilização de maga retrátil nos boilies

Envolve parcialmente o isco, deixando os topos a descoberto.

Cortar o excedente

Podemos também fazer uns pequenos furos com a agulha de iscar…

)

Os lagostins conseguem atacar o topo do boilie mas os danos que provocam são mínimos, conseguimos pescar descansados que vamos ter isco todo tempo. Muito importante, o “stopper” a usar deve ser em forma de “v” para entrar no boilie e ser mais difícil para os lagostins. Um “stopper” que fica acessível rapidamente é retirado e o nosso isco roubado.

E agora, é tempo de por tudo isto em pratica!

Boa sorte a todos e boas pescarias!

António Lopes Nunes

Imperial Baits, a diferença!

Bom dia, um novo ano e novos sonhos e metas para alcançar!

Que tenho eu a dizer sobre estes 2 anos a usar Imperial Baits?

Qual a grande diferença dos iscos e marcas que fui conhecendo ao longo destes anos que faço carp fishing?

A resposta é simples. Os mix´s desenvolvidos por Max Nollert e que designa por "Carptrack" são muito diferentes de tudo aquilo que fui conhecendo ao longo de anos...

Muitas horas de pesca, muitos treinos, muitos testes e muitas invenções também! Os vários anos em competição enriqueceram muito o meu conhecimento acerca das movimentações das carpas, da forma que as podemos atrair mais rápidamente. É uma "escola" que todos que gostam da modalidade carp fishing deviam experimentar.

Aprendemos muito, mas no fundo não aprendemos o carp fishing puro - a essência do que nos fez abraçar esta modalidade!

As grandes capturas.

Max Nollert e os seus iscos "Carptrack" foram desenvolvidos para as grandes capturas. São iscos muito ricos e muito elaborados, e tomem nota: quando mais rico e elaborado for um boilie, menor serão as picadas que vão ter. Faz sentido?

Explico, um boilie simples, até com dissolução rápida, atrai muito mais rápidamente as carpas, e nas nossas águas onde predominam muitas carpas pequenas, será essa a nossa melhor abordagem?

Quem procura resultados rápidos, carpas de tamanho médio / pequeno, não terá grande sucesso, nem irá tirar grande beneficio da utilização de uma marca de boilies de topo como Imperial Baits.

O mix lendário "Carptrack" que Max Nollert desenvolveu para as suas gamas de iscos é por si só um atrativo de grandes carpas. São os peixes maiores, aquelas que fazem a diferença que lhe vão pegar. São gamas ricas, muito elaboradas por forma a estimular os peixes grandes, e por isso a história da Imperial Baits e de record´s quebrados repete-se á anos e anos por toda a Europa.

Conselhos de utilização

Iscar um boilie Imperial Baits não é sinónimo de sucesso.

Não basta chegar a um local, iscar com um boilie Imperial Baits, lançar a montagem na água e esperar que no próximo bip ou arranque esteja o peixe dos nossos sonhos! O nosso record! Não é assim...

  • Procurem conhecer bem o local onde vão pescar. Sondar é fundamental, conhecer o fundo, os declives, os obstáculos, todos os detalhes contam.
  • Localizem bem a vossa montagem, digo-vos também que as maiores carpas que tirei até hoje saíram todas a menos de 1,20mt de profundidade 😉
  • Há muito peixe pequeno no local onde pescam? Considerem fazer um engodagem mais forte uns metros afastados do local onde vão colocar a vossa montagem á pesca.
  • Os peixes grandes, normalmente, não entram em grandes engodagens. Fixem isto. Um punhado de boilies e umas pellets de qualidade é suficiente. Um pequeno PVA também pode ajudar.
  • Não esperem muitos bips, mas estejam preparados porque quando arrancar poderá ser o teu novo record!
  • Mudar os iscos de 4 em 4 horas não será o mais acertado...deixem os boilies pescar 😉